30/01/2020

Pesquisa da UFRN avalia se exame de sangue pode detectar câncer de mama

Toda mulher que já precisou passar por uma mamografia conhece o incômodo – ou mesmo a dor intensa – que é passar pelo exame para detecção do câncer de mama. Sim, aquele em que duas placas achatam o seio por alguns segundos para registro de imagens e que, apesar dos pesares, segue até hoje como o meio mais importante para identificação do câncer, mesmo em estágio inicial.

A mamografia continua tendo sua importância, porém uma pesquisa realizada pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) sugere que, em alguns anos, um novo exame poderá ser usado como aliado na busca por um diagnóstico. E o melhor: mais rápido, barato e praticamente indolor, utilizando apenas algumas gotas de sangue coletadas da paciente. O exame ainda está em fase de testes e precisa cumprir duas novas etapas com sucesso antes de ser oferecido na rede hospitalar.

A pesquisa, conduzida pelo professor do Instituto de Química da UFRN, Kássio Michell Gomes de Lima, foi desenvolvida nos últimos dois anos utilizando um exame conhecido como Bioespectroscopia e técnicas multi-variadas de classificação em um grupo de 476 mulheres, entre elas pacientes da Liga Norte Riograndense contra o Câncer, que participaram de forma voluntária do estudo.

Nessa fase de testes, o exame de sangue provou ser tão eficiente quanto a mamografia tradicional. Simplificando: A faixa de sensibilidade da mamografia, que varia entre 88% e 93% de acerto, enquanto o resultado do exame de sangue aponta para 94% de acerto, ou seja, dentro da mesma faixa de acerto da mamografia. Em termos de especificidade, a mamografia varia entre 85% e 94%, enquanto o exame de sangue oferece precisão de 91%.

Fim da mamografia?

Se, após a maratona de testes, o exame de sangue comprovar sua eficácia, isso pode significar o fim da mamografia? O professor Kássio diz que ainda não é o momento para aposentar as temidas chapas. “A mamografia sempre será um método de referência. O que nós propomos é um método complementar de triagem: se o exame de sangue der positivo, a paciente é encaminhada para a mamografia. Se der negativo, não”.

A Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) recomenda a mamografia anual para mulheres acima dos 40 anos. Pacientes com casos de câncer de mama ou ovário na família devem começar fazer a mamografia mais cedo, conforme orientação do mastologista. Mulheres obesas que ingerem bebida alcoólica e que não praticam atividade física estão mais propensas a desenvolver o câncer.

Por Alderi Dantas, 30/01/2020 às 19:57 - Com informações da Agência de Comunicação da UFRN

29/01/2020

Vereadora Delkiza Cavalcante refuta notícia do “blog de olho no Assu”

Com o nome envolvido em fatos considerados como distorcidos e destoantes da realidade em torno do Projeto de Lei que fixa salários de vereadores, prefeito, vice e secretários em Assu, a vereadora Delkiza Cavalcante expediu uma NOTA repudiando o conteúdo veiculado pelo “blog de olho no Assu”.

NOTA

EU, DELKIZA CAVALCANTE, vereadora, venho a público protestar veementemente contra o tratamento degradante que o blog de Olho no Assú tenta atingir de forma acintosa o mandato legítimo que exerço na Câmara Municipal de Assú.

A agressão violenta a verdade que o blog fez na data desta terça-feira, 28 de janeiro, ao informar seus leitores que o projeto de lei que trata de aumentar salários de vereadores, prefeito, vice e secretários no município do Assú é de autoria do nosso mandato, se perpetua como a mentira do ano.

O projeto por Lei é de inciativa da Câmara Municipal nunca do mandato de um vereador e/ou vereadora, vereador(a) não tem poder para apresentar lei de aumento do seu salário. O projeto em discussão na Câmara Municipal visa cumprir o que determina as Constituições Federal e Estadual, e as Resoluções dos Tribunais de Contas, que rezam que os referidos subsídios devem ser fixados em cada legislatura para a subsequente.

Em nome da verdade, repudio o desrespeito no plano pessoal, a intolerância inadmissível no plano da disputa política e a violação de todas as regras elementares do debate plural e civilizado de ideias, assim como a publicação de conteúdo que visa sempre a estampar manchetes, às quais não logra o agressor chegar a qualquer índice de audiência por mérito, talento ou conhecimento.

Delkiza Cavalcante

Vereadora

Postado em 29/01/2020 às 05:48

28/01/2020

Preciso do Estado para que meu funcionário trabalhe bem, diz presidente do Magazine Luiza

O diretor-presidente do Magazine Luiza, Frederico Trajano, afirmou nesta terça-feira (28) que a discussão sobre o papel do governo está ideologicamente exacerbada e que o setor empresarial precisa do Estado para que o funcionário trabalhe bem.

"Não acredito muito que nós não vamos ter que ter Estado, eu ao menos preciso dele para que meus funcionários trabalhem com segurança, para que eu tenha mão de obra qualificada para contratar e para não gastar tanto dinheiro com saúde privada", afirmou em evento do banco Credit Suisse em São Paulo, ao ser questionado sobre a percepção da sociedade sobre o papel do Estado.

Trajano participou de discussão sobre o futuro do Brasil ao lado de André Street, cofundador da Stone, de Lídia Abdalla, presidente do Grupo Sabin Medicina, e de José Olympio Pereira, presidente do Credit Suisse no Brasil.

Uma das empresas de destaque na Bolsa nos últimos anos, com valorização de 110% em 2019, o Magazine Luiza tem parte de seu modelo de negócios inspirada no gigante do ecommerce global Alibaba.

Trajano destacou que a China foi o país que mais gerou e distribuiu riqueza no mundo nos últimos 30 anos. Ponderou que se trata de um país comunista, mas chamou atenção para a abertura econômica e para a redução gradativa do Estado.

"Nao quero na minha rede ter que ser um super especialista em segurança e fazer papel de polícia dentro dos meus CDs [centros de distribuição], quero que o Estado faça isso bem feito. Não quero ter que corrigir o sistema criando uma universidade corporativa porque não é a melhor locação do capital do meu acionista. O Estado tem que fazer isso bem feito", afirmou.

Para ele, não cabe ao setor empresarial resolver todos os problemas do país.

Por Alderi Dantas, 28/01/2020 às 20:37 - Com informações da FolhaPress

27/01/2020

Bolsonaro coloca 500 mil brasileiros na fila do Bolsa Família

“Em apenas um ano, o programa Bolsa Família voltou a enfrentar um antigo problema. Desde junho, a fila de pessoas aguardando pelo benefício saltou de zero, patamar que se encontrava desde 2018, para 494.229 famílias”, aponta reportagem de Pedro Capelli e Elisa Martins, publicada no jornal O Globo.

“São famílias cujo perfil de renda é compatível com o programa e já estão cadastradas — mas continuam na miséria e sem a ajuda de R$ 89 por pessoa”, apontam os jornalistas, que obtiveram os dados por meio da Lei de Acesso à Informação, após quatro meses de demanda junto ao Ministério da Cidadania, que só liberou a informação depois de determinação da Controladoria-Geral da União (CGU).

“Entre janeiro de 2018 e maio de 2019, a média mensal de novos benefícios concedidos era de 261.429. Desde junho, esse número caiu drasticamente, e hoje esse número está em 5.667”, aponta ainda a reportagem.

A volta da fila no principal programa de erradicação da pobreza é fruto de cortes dos beneficiários. Desigualdade e desemprego crescem e o povo volta a passar fome. É o novo normal do Brasil sob o domínio administrativo de Bolsonaro e Guedes.

Por Alderi Dantas, 27/01/2020 às 20:18

26/01/2020

Pior ministro, Weintraub pode levar Educação ao colapso

Por Chico Alves - jornalista e colunista do UOL

Em uma equipe ministerial que tem Damares Alves, Ernesto Araújo e Ricardo Salles não é difícil achar alguma coisa para criticar. O lamentável Abraham Weintraub, porém, está em outro patamar, como diria o jogador do Flamengo.

Com o show de erros do Enem e do Sisu e a escolha do reitor criacionista da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Benedito Guimarães Aguiar Neto, para dirigir a Capes, uma das principais entidades de fomento à ciência, ele dá toques trágicos ao que era visto como série de trapalhadas de um sujeito egocêntrico.

Junto com todas as outras barbeiragens praticadas nos últimos meses, essas últimas caneladas da gestão de Weintraub colocam em perigo vários níveis de operação de um dos ministérios mais importantes para qualquer país, que durante várias gestões vinha mantendo a máquina funcionando. Graças ao ministro do guarda-chuva, agora a engrenagem pode enguiçar.

A relação de absurdos é grande, por isso aí vão apenas alguns dos principais:

1 - Benedito Guimaraes Aguiar Neto para presidente da Capes - Uma das principais entidades de financiamento para aperfeiçoamento universitário foi entregue nas mãos do reitor evangélico da Mackenzie. Não bastasse o disparate de abrir mão de tantos talentos da Educação pública para chamar alguém do ensino universitário privado, Weintraub escolheu ainda por cima um criacionista. Benedito criou na Mackenzie um núcleo de pesquisas sobre design inteligente (outro nome para criacionismo). Ou seja: na presidência de uma das principais entidades de fomento à ciência, temos agora alguém que investe em um conceito internacionalmente refutado pelos cientistas.

2 - As trapalhadas no Enem e no Sisu - Aquele que Weintraub prometeu ser o melhor exame de todos os tempos foi, na verdade, o pior. Por desencontro entre o gabarito e o resultado, pelo menos 6 mil candidatos tiveram suas notas revistas. Mas outros estudantes reclamam de falhas.

Para piorar, também o sistema de inscrição do Sisu deu chabu. A indefinição aumentou depois que a Justiça Federal determinou que a divulgação dos resultados seja suspensa assim que as inscrições forem encerradas e mandou que o governo comprove que o erro na correção das provas do Enem foi totalmente solucionado.

A incompetência de Weintraub coloca assim em jogo a credibilidade de um sistema que funciona bem há muitos anos. E os candidatos, que investiram tempo e esperança no exame de 2019, ficam em compasso de espera.

3 - Livros didáticos na mira - Depois da descoberta da existência, em um galpão em São Paulo, de quase 3 milhões de livros didáticos sem uso, Weintraub cogitou destruí-los. Agora diz que vai submetê-los a uma triagem. Antes, já tinha criticado as publicações escolares, por terem como suposto objetivo a "doutrinação" ideológica.

O presidente Bolsonaro, por sua vez, anunciou que a partir de 2021, todos os livros escolares serão feitos pelo governo. "Os pais vão vibrar. Vai estar lá a bandeira do Brasil na capa. Vai ter lá o hino nacional", disse ele, no mesmo momento em que reclamou que os livros hoje em dia são "um montão de amontoado de muita coisa escrita".

Para isso, teriam que atropelar o Programa Nacional do Livro Didático, que tem uma comissão de especialistas que existe há 35 anos para dar pareceres técnicos sobre as publicações, que depois serão escolhidas com autonomia pelos professores de cada escola. Se posta em prática, a ideia de Bolsonaro representaria a idelogização completa, sob pretexto de lutar contra a doutrinação ideológica.

4 - Atraso na aprovação do Fundeb - Depois de quase três anos trabalhando em uma proposta para o fundo que complementa o financiamento da educação básica no país, o Congresso foi surpreendido pelo anúncio de Weintraub de que quer enviar uma nova sugestão, através de emenda constitucional.

Este será o último ano de vigência e, se não houver aprovação a tempo, os recursos do Fundeb podem se perder. Para a presidente do Todos pela Educação, Priscila Cruz, a insistência do.ministro em desconsiderar o trabalho feito até aqui para criar um texto de última hora coloca em risco a existência do fundo.

Para se ter uma ideia da grandeza de valores que Weintraub está colocando em risco, a estimativa do Fundeb para 2020 é superior a R$ 170 bilhões.

Essas quatro catástrofes administrativas, somadas às loucuras do início de sua gestão, como acusar três das melhores universidades de país de "balbúrdia", a criação do malfadado Future-se (que usa pressupostos do mercado financeiro para aplicar a instituições públicas) e a constante desqualificação da pesquisa científica realizada pelas universidades federais, fez da atual gestão do MEC algo perigoso.

É certo que a qualidade da educação brasileira está abaixo do esperado. Muitos índices comprovam isso. Mas não houve até agora qualquer gesto de Weintraub para reverter esse quadro. Pelo contrário. Parece que O único objetivo do ministro performático é justamente estragar o que está funcionando.

De todos os dissabores recentes, ver a Educação em colapso é talvez o pior. Com seus óculos escuros e seus erros de Português, até aqui Weintraub está conseguindo fazer a vaca ir para o brejo, como parece ser o seu objetivo.

Postado em 26/01/2020 às 21:00 - Texto ´publicado originalmente na https://noticias.uol.com.br/colunas

20/01/2020

“Caixa-preta” do BNDES virou mais uma fake News de Bolsonaro

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) gastou R$ 48 milhões com auditoria que prometia abrir a “caixa-preta”, mas o relatório conclusivo não apontou nenhuma evidência direta de corrupção em oito operações com a JBS, o grupo Bertin e a Eldorado Brasil Celulose, realizadas entre 2005 e 2018.

No tocante as decisões do banco, o documento aponta: “Os documentos da época e as entrevistas realizadas não indicaram que as operações tenham sido motivadas por influência indevida sobre o banco, nem por corrupção ou pressão para conceder tratamento preferencial à JBS, à Bertin e à Eldorado”.

A “caixa-preta” foi um dos temas dominantes na campanha de Bolsonaro. Para muitos apoiadores do presidente, a investigação teria potencial para apontar malfeitos maiores do que os apontados pela Operação Lava Jato na Petrobrás.

A missão foi conferida pelo presidente Jair Bolsonaro ao dirigente do BNDES, Gustavo Montezano, que tomou posse em julho, em substituição a Joaquim Levy, primeiro nomeado pelo governo para comandar a instituição. Levy falou em “ter clareza sobre operações do passado”, e não avançou na busca por operações fraudulentas. O comportamento foi apontado como um dos motivos para a insatisfação de Bolsonaro com sua gestão – o executivo pediu demissão após o presidente dizer em entrevista que estava “por aqui” com ele.

A auditoria foi apresentada no mês passado e O BNDES declarou, em nota, que o documento foi entregue ao Ministério Público Federal. No entanto, o relatório foi conclusivo no sentido de que as oito operações investigadas não tinham irregularidades.

Por Alderi Dantas, 20/01/2020 às 21:47 - Com informações do jornal O Estado de S. Paulo e o G1

17/01/2020

Três alunos do RN atingem nota 1000 na redação do Enem

O Rio Grande do Norte teve três alunos que atingiram a nota máxima na redação do Exame nacional do Ensino Médio (Enem) 2019. De acordo com o Ministério da Educação, foram 53 estudantes que conseguiram a avaliação 1.000 em todo o país.

O MEC informou que as mulheres foram maioria entre os que obtiveram a nota máxima: são 32 do total. Minas Gerais foi o estado com a maior quantidade de alunos com esta avaliação na redação do Exame: 13.

O tema desta edição foi “Democratização do acesso ao cinema no Brasil”. O texto deveria ser do tipo dissertativo-argumentativo, com até 30 linhas, desenvolvido a partir da situação-problema proposta e de subsídios oferecidos pelos textos motivadores.

Quadro de estados com nota máxima na redação do Enem 2019:

1º - Minas Gerais (13);
2º - Rio de Janeiro e Ceará (6);
3º - São Paulo e Goiás (4);
4º - Rio Grande do Sul e Rio Grande do Norte (3); 
5º - Distrito Federal, Pará e Piauí (2); 
6º - Alagoas, Bahia, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Paraíba e Pernambuco (1).

Por Alderi Dantas, 17/01/2020 às 19:38

16/01/2020

Bolsonaro pode gerar 40 mil demissões com privatização dos Correios

A privatização dos Correios está sendo planejada para o final de 2021 e pode acarretar a demissão de 40 mil trabalhadores. De acordo com a Folha de São Paulo, executivos de empresas privadas consultados pelo governo dizem que fariam o mesmo serviço com praticamente a metade do quadro atual de 100 mil funcionários.

A equipe econômica do governo de Bolsonaro não pretende absorver os trabalhadores que forem descartados com a venda da estatal, pois isto poderia criar um precedente para as próximas privatizações. Não há informações, no entanto, sobre como se daria o processo de demissão dos servidores.

Devido à complexidade da operação – que envolve também o passivo do fundo de pensão Postalis e com o plano de saúde dos trabalhadores -, a data prevista para a apresentação do formato de privatização ficou para o fim de 2021.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM) propõe a quebra do monopólio dos Correios, mas a execução não é simples. A avaliação é que alcançaria apenas o setor de cartas e há dúvidas sobre se as empresas se interessarão em atuar fora dos grandes centros urbanos.

Por Alderi Dantas, 16/01/2020 às 06:03

15/01/2020

Aluna prega peça na reportagem da TV Globo com "Fora Bolsonaro" em coreano

Uma aluna "pregou uma peça" na reportagem da TV Globo e fez um protesto contra o presidente Jair Bolsonaro. O Jornal Hoje desta terça-feira (14) exibiu uma matéria sobre o crescimento das aulas de coreano no Brasil por influência de fãs do k-pop. Em determinado momento, as câmeras mostraram uma garota escrevendo "Fora Bolsonaro" no idioma asiático e não demorou para que a história fosse parar na web.

A reportagem do UOL confirmou com três fontes fluentes em coreano o conteúdo do que foi escrito. Todas disseram que se tratam de fonemas, e não da tradução exata. Assim, um coreano que não sabe português vir, não entenderia a mensagem.

O caso aconteceu na escola Olga Benario Prestes, que fica no Complexo da Maré, no Rio de Janeiro. Segundo a reportagem exibida no Jornal Hoje, o local oferece o curso desde 2017. 

O diretor-adjunto da escola Olga Benario Prestes, Roberson Gonçalves Maturano, em contato com a reportagem se disse surpreso com a atitude e afirmou que a escola não tinha conhecimento sobre o conteúdo escrito no quadro.

Por Alderi Dantas, 15/01/2020 às 05:33

14/01/2020

Bolsonaro cruzou os braços e recriou a fila do INSS

Em junho passado, o ministro Paulo Guedes apresentou uma fórmula mágica para reduzir gastos. Ele informou que o governo deixaria de fazer concursos para substituir os servidores que se aposentam.

“Nas nossas contas, 40% dos funcionários públicos devem se aposentar nos próximos cinco anos. Então você não precisa demitir. Basta desacelerar as entradas que o excesso vai embora”, explicou.

No discurso de Guedes, a medida ajudaria o governo a equilibrar o caixa e alcançar o sonhado trilhão de reais. No mundo real, produziu um colapso administrativo e ressuscitou a fila do INSS.

Só no ano passado, o órgão perdeu mais de seis mil servidores. A debandada era prevista desde que a reforma da Previdência começou a tramitar no Congresso. Agora a falta de quadros é usada para justificar o apagão no atendimento.

Quase dois milhões de brasileiros esperam respostas do INSS. Além dos pedidos de aposentadoria, estão parados processos de auxílio-doença, licença-maternidade e benefício de prestação continuada.

Hoje (14) Jair Bolsonaro anunciou a convocação de militares da reserva, que receberão adicional de 30% nos seus salários. Além de não resolver o problema, o presidente aproveita a crise para fazer outro agrado à sua base eleitoral.

O governo não se preparou porque não quis. Há cinco meses, as procuradoras Eliana Pires Rocha e Anna Paula Coutinho pediram à Justiça Federal que obrigasse o INSS a preencher as vagas ociosas. A ação apontava a necessidade de oferecer “atendimento digno” e o risco de “sucateamento” da Previdência”.

Como nada foi feito, as filas de uma clientela composta de gente pobre, que depende dos benefícios para sobreviver continuaram a crescer.

Por Alderi Dantas, 14/01/2020 às 21:21 - Com informações do jornal O Globo

13/01/2020

IBGE anuncia 3,4 mil contratações para Censo 2020 no RN

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) deve contratar 3.478 pessoas para trabalhar no Censo Demográfico 2020 no Rio Grande do Norte. Todas as contratações são temporárias.

De acordo com o órgão, serão 2.888 vagas para recenseador distribuídas nos 167 municípios potiguares. Natal ficará com 729 vagas, Mossoró terá 236, Parnamirim, 217 e Assu, 46 recenseadores. A exigência para o cargo é ensino fundamental completo e a remuneração é baseada na produção. O processo seletivo simplificado para recenseador tem edital previsto para publicação em fevereiro.

Além de recenseador, haverá 363 vagas para agente censitário supervisor, com retribuição mensal de R$ 1.700, e 151 vagas para agente censitário municipal com retribuição de R$ 2.100. Ambos os cargos têm como requisito o ensino médio.

A operação do Censo Demográfico tem início em agosto e está prevista para ser encerrada até o final de outubro. Os 2.888 recenseadores visitarão todos os 1.054.122 domicílios potiguares para conseguir informações fundamentais para a formulação de políticas públicas, como: tipo de residência, a cor ou raça dos moradores, renda, alfabetização, como ocorre o acesso à água e outros tópicos.

No Brasil, são 71 milhões de residências. Além disso, o Censo 2020 vai atualizar o número da população brasileira.

Por Alderi Dantas, 13/01/2020 às 15:51 

11/12/2019

Jovem ativista pelo clima Greta Thunberg é escolhida personalidade do ano pela revista Time

A ativista sueca Greta Thunberg, de 16 anos, foi eleita personalidade do ano de 2019 pela revista Time. A adolescente deu início a um movimento internacional de estudantes que pede medidas concretas para combater as mudanças climáticas. A iniciativa rendeu uma campanha pelo Prêmio Nobel da Paz em 2019 — vencido por Abiy Ahmed Ali, primeiro-ministro da Etiópia.

O presidente Jair Bolsonaro, que chamou a ativista de "pirralha" ontem, era um dos concorrentes ao prêmio.

Em uma sexta-feira de agosto de 2018, Greta faltou à aula para protestar contra as recentes ondas de calor e incêndios que afetaram o país. Ela se sentou em frente ao Parlamento da Suécia com uma cartaz com os dizeres "Em greve escolar pelo clima".

O protesto inspirou jovens de todo o mundo a criarem mobilizações, sempre às sextas-feiras, para que as autoridades cumprissem as metas de emissão de gases causadores do efeito estufa. O movimento ficou conhecido como "Fridays for Future" (sextas-feiras pelo futuro).

Em discurso feito na ONU em setembro, Greta falou: 'Vocês roubaram os meus sonhos e infância. Estamos no início de uma extinção em massa, e a única coisa que vocês falam é sobre dinheiro e o conto de fadas de crescimento econômico eterno. Como se atrevem?".

Além de Bolsonaro, a adolescente já recebeu críticas do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que a chamou de "histérica".

Por Alderi Dantas, 11/12/2019 às 20:00

18/11/2019

Desmatamento na Amazônia cresce 29,5% e é o maior desde 2008

A área desmatada na Amazônia foi de 9.762 km² entre agosto de 2018 e julho de 2019, de acordo com números oficiais do governo federal divulgados nesta segunda-feira (18) pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Trata-se de um aumento de 29,5% em relação ao período anterior (agosto de 2017 a julho de 2018), que registrou 7.536 km² de área desmatada.

Os dados são do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes), considerado o mais preciso para medir as taxas anuais. Ele é diferente do Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter), que mostra os alertas mensais e já sinalizava tendência de aumento.

O sistema de alertas foi alvo de críticas dentro do governo federal no meio do ano.

Naquele período, sobretudo em julho e agosto, o governo criticou o uso dos dados e afirmou que a medição do Deter não deveria ser usada em comparativos e que os números que deveriam ser considerados são os do Prodes. O Inpe chegou a ser acusado pelo presidente Jair Bolsonaro de mentir sobre os dados e agir a "serviço de alguma ONG".

A polêmica terminou com a demissão do então diretor do órgão, Ricardo Galvão.

Nordeste

O crime ambiental que atingiu todo o litoral do Nordeste já é considerado, proporcionalmente, um dos piores desastres da história mundial. Além de ter comprometido o trabalho e a renda de comunidades pesqueiras e marisqueiras, o vazamento do óleo também prejudicou a fauna e flora marinha, gerando um gigantesco desequilíbrio ecológico.

Segundo o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) quase 1.300 espécies de peixes, por exemplo, foram afetadas com o vazamento. Deste total, 19 espécies estão ameaçadas de extinção e 32 em situação de declínio.

Todo esse bioma marinho foi atingido durante os mais de 80 dias desde que as primeiras manchas foram identificadas nas praias. E ainda continua aparecendo novos focos de detritos no litoral de Alagoas, Pernambuco e Bahia.

O vazamento já ultrapassou a fronteira do NE e chegou nas praias do Espírito Santo.

Mesmo depois de quase 3 meses do vazamento, ainda não se sabe a origem do óleo, muito menos quem são os culpados por toda essa destruição.

Por Alderi Dantas, 18/11/2019 às 15:47

15/11/2019

Brasil bate recorde com 38 milhões de trabalhadores na informalidade

Dados divulgados pelo IBGE referente ao trimestre encerrado em setembro mostram que o desemprego ainda atinge 12,5 milhões de pessoas. Há um recuo de 100 mil no número de desempregados em comparação com o mês de agosto, quando 12,6 milhões de trabalhadores estavam sem emprego. Apesar dos sinais de recuperação do mercado de trabalho, os dados mostram que o aumento da população ocupada tem sido puxado sobretudo pelo avanço da informalidade, que atingiu nível recorde, atingindo 41,4% da população ocupada, ou 38,8 milhões de brasileiros.

A informalidade, segundo o IBGE, tem contribuído para diminuir o desemprego, mas afeta a arrecadação previdenciária no país. De acordo com os dados da pesquisa, 62,4% dos ocupados contribuem para a Previdência Social, percentual que está em queda desde 2017, quando era de 65,3%.

Segundo o IBGE, o país ainda tem um total de 4,7 milhões de desalentados (aqueles que desistiram de procurar emprego).

Por Alderi Dantas, 15/11/2019 às 19:49

14/11/2019

"Não iremos aceitar desculpas”, declara coordenadora do SINTE/RN

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do RN (SINTE/RN) se reuniu mais uma vez com o secretário estadual de Educação para voltar a tratar da pauta da rede estadual. O encontro aconteceu nessa terça-feira (12) na sede da secretaria. Na ocasião, 11 pontos foram discutidos, entre demandas dos professores e funcionários, como data-base, concurso, letra, promoções e licenças. Confira abaixo um resumo da audiência:

Data-base para os professores

O secretário afirmou que a SEEC é favorável a criação de um projeto que garanta a data-base automática para os professores do Estado em janeiro. Segundo ele, a ideia já foi transmitida ao setor jurídico da Secretaria e, uma vez elaborada, será discutida com a Casa Civil e demais secretários. Em seguida deverá ir para o Legislativo.

Data-base para os funcionários

O secretário disse que a SEEC vai dialogar com o Executivo e depois apresentar uma proposta ao Sindicato. De acordo com o governo, a data-base deve abranger toda a administração direta do funcionalismo.

Promoção de uma letra ainda este ano

O secretário disse que não existem recursos e que o governo está trabalhando para garantir o pagamento do 13º de 2019. De acordo com ele, já foi feito o impacto financeiro para uma letra. Contudo, se não tiver recurso na SEEC será necessário que o Executivo debata a questão com o SINTE/RN.

Promoção vertical

Segundo o secretário, existe a possibilidade de promover entre 55 e 60 professores. As vagas existem. Por sua vez, o SINTE solicitou que todas as vagas existentes sejam preenchidas e que o levantamento financeiro seja realizado.

Pagamento aos novos funcionários

Está em fase de discussão. O SINTE/RN lembrou que este item já foi conversado com o secretário, que ficou de ver qual será o encaminhamento acerca do impacto financeiro.

Portaria das licenças prêmios

Segundo o secretário, vão elaborar uma proposta. Por sua vez, o SINTE solicitou participar das discussões. O pedido foi aceito.

Convocação de concursados

De acordo com o secretário, até dezembro acontecerá uma nova convocação, mas os números de recrutados não foi apresentado. Segundo ele, está prestes a sair a decisão da Procuradoria Geral do Estado (PGE) acerca da prorrogação ou não por seis meses (de março a setembro de 2020) do concurso de 2015/2016. Se a decisão for favorável um novo chamado de profissionais deverá ocorrer em 2020.

Realização de novo Concurso público

Ficou acertado que essa discussão será aprofundada com o governo do Estado.

Sobre a questão do reordenamento das escolas, o SINTE/RN destacou a necessidade de debater a questão com os segmentos. Na audiência, ainda foi tratada a reabertura da comissão da carreira do magistério e a criação de uma carteira funcional do servidor.
A coordenadora geral do SINTE/RN, professora Fátima Cardoso, comentou o diálogo com o executivo: “A audiência remete as ações para 2020. Vamos cobrar, e não vamos abrir mão. Não iremos aceitar desculpas”.

Postado em 14/11/2019 às 06:52 - Com informações da assessoria de comunicação do SINTE/RN

13/11/2019

Bolsonaro ataca o jornalismo, os jornalistas e o produto da atividade jornalística: as notícias

Federação Nacional dos Jornalistas conclama categoria a defender a profissão e exige que Congresso atue como legislador, impedindo mais esse retrocesso
NOTA OFICIAL

A Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) e seus sindicatos filiados em todo o país denunciam a inconstitucionalidade da Medida Provisória 905/2019, que revoga a obrigatoriedade de registro para atuação profissional de jornalistas (artigos do Decreto-Lei 972/1969) e de outras 13 profissões. A Medida Provisória mantém o registro de classe somente para as profissões em que existem conselhos profissionais atuando (como advocacia, medicina, engenharias, serviço social, educação física, entre outros).

Dez anos depois da derrubada do diploma de nível superior específico como critério de acesso à profissão pelo Supremo Tribunal Federal (STF), a MP publicada ontem (12/11) no Diário Oficial da União é mais um passo rumo à precarização do exercício da profissão de jornalista, uma atividade de natureza social ligada à concretização do direito humano à comunicação. Na prática, sem qualquer tipo de registro de categoria, o Estado brasileiro passa a permitir, de maneira irresponsável, o exercício da profissão por pessoas não-habilitadas, prejudicando toda a sociedade.

A FENAJ denuncia que o governo de Jair Bolsonaro constrói uma narrativa, desde a posse na Presidência, para deslegitimar a atuação dos jornalistas no exercício profissional. Agora, utiliza a MP 905/19 para, mais uma vez, atacar a profissão, os jornalistas e o produto da atividade jornalística: as notícias.

A FENAJ entende que a MP estabelece uma nova Reforma Trabalhista com a criação da carteira “Verde e Amarela” e a alteração de diversos itens da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), especialmente os relacionados a controle de jornada diária e trabalho aos fins de semana para o setor de comércio e serviços, o que também prejudica a categoria dos jornalistas profissionais. A jornada de trabalho de cinco horas diárias para jornalistas é estabelecida no artigo 303 da CLT e sua ampliação para até duas horas diárias está estabelecida no artigo 304. A MP estabelece o fim da notificação da ampliação de jornada aos órgãos de fiscalização.

Mais grave ainda é o fato de o governo Bolsonaro utilizar medidas provisórias de maneira abusiva, usurpando do Congresso Nacional a atribuição de legislar, sem o devido processo de tempo para reflexão e debates com toda a população sobre as alterações nas leis, que são garantidas nas tramitações que passam pela Câmara Federal e pelo Senado.

É preciso que as diversas categorias de trabalhadores afetadas profissões (jornalista, agenciador de propaganda, arquivista, artista, atuário, guardador a lavador de veículo, publicitário, radialista, secretário, sociólogo, técnico em arquivo, técnico em espetáculo de diversões, técnico em segurança do trabalho e técnico em secretariado) se unam para dialogar com senadores e deputados a fim de que o Congresso Nacional derrube essa medida provisória e restabeleça a obrigatoriedade de registro nas Superintendências Regionais do Trabalho e Emprego que vinha sendo, desde 2009, o único critério legal de acesso a essas atividades profissionais.

A FENAJ vai tomar as medidas judicias cabíveis e, junto com os Sindicatos de Jornalistas do país, vai buscar o apoio dos parlamentares, das demais categorias atingidas, das centrais sindicais e da sociedade em geral para impedir mais esse retrocesso. E a Federação chama a categoria dos jornalistas em todo o país a fazer o enfrentamento necessário à defesa da atividade profissional de jornalista, que é essencial à Democracia.

Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ)

Brasília, 13 de novembro de 2019

Postado em 13/11/2019 às 20:26 

03/11/2019

Na contramão do atraso

Por Fátima Bezerragovernadora do RN

Com coragem e cuidado, humildade e ousadia, estamos promovendo mudanças. Conscientes de que a mudança é um processo gradativo e continuado, não um arroubo voluntarista, estamos aos poucos mudando o RN por meio do diálogo e da negociação, sem atropelos ou precipitações, porque queremos que o resultado seja consistente e duradouro.

Nosso estado merece, e vai, sair da calamidade financeira em que foi mergulhado e é nossa obrigação batalhar por isso. Não temos medido esforços na construção de alternativas para sair da crise. E temos feito isso em diálogo franco, aberto e plural com todos os setores da sociedade. Finalizamos o mês de outubro, para estupefação de alguns, pagando onze folhas salariais.

Mudamos a política de incentivos fiscais, onde se insere o PROEDI. Programa que, agora, todos dizem defender, mas que teve de aguardar a chegada de um governo de perfil popular para ser feito. O que tínhamos até então, e que muitos diziam que iríamos eliminar, era uma ilha de atraso e desinvestimento.

Por não vir no meio empresarial, ou das camadas mais abastadas da sociedade, fui alvo de muito boato de que, eleita, iria dificultar a vida das empresas. Seja por má fé ou ignorância, os propagadores do pantim se veem hoje obrigados a reconhecer que fizemos o que nenhum outro governo teve coragem.

As empresas do RN tinham perdido competitividade frente às localizadas em estados vizinhos, e a perda da concorrência estava diretamente ligada às legislações dos demais estados, que apresentavam vantagens aos empresários que decidissem ali localizar seus negócios.

Não à toa, o RN ficou na última colocação em número de empregos industriais no Nordeste, vendo a PB se distanciar enquanto mantínhamos um atraso imodesto. Agora, espelhados no que deu certo, demos o passo necessário para tornar o RN mais competitivo, mais produtivo e mais inclusivo.

Neste momento de travessia, já podemos comemorar 7 mil empregos formais gerados no RN nos últimos 3 meses e um aumento de R$ 102 milhões na arrecadação nos primeiros 9 meses do ano, isso sem aumentar nenhum imposto. E o que mais um governante quer, senão o povo trabalhando e podendo viver com dignidade? Temos perseguido isso dando nossa contribuição para o enfrentamento da crise econômica que atravessa o país.

Importa destacar que, cada incentivo fiscal dado, é acompanhado da devida contrapartida que, no caso do PROEDI, é emprego gerado. Passamos décadas vendo a PB, PE e CE repletos de vantagens, e esperando que as industrias se mantivessem ou viessem para o RN em razão das nossas belas praias ou quiçá da insegurança pública que estampávamos.

Quando vemos ser questionada, judicial ou politicamente, uma medida desta natureza, adotada com zelo e estudo, devemos observar até onde nos trouxe a manutenção das coisas tal como existiram até então. E nos perguntar se tínhamos o direito de não enfrentarmos essa questão.

Sabedores da improcedência dos questionamentos sobre a legalidade do PROEDI, adotado por outros estados e há décadas adotado no próprio RN para outros incentivos fiscais, ficamos felizes com a decisão do Tribunal de Justiça do RN, e reputamos que ela se replicará no julgamento de quaisquer demandas sobre o tema.

No tocante às alegadas perdas que teriam as prefeituras, sempre estivemos abertos ao diálogo e assim permanecemos. Vemos com perplexidade a politização desta matéria, em que se tenta atribuir ao governo do Estado o atraso na folha salarial dos servidores municipais, em claro gesto de desonestidade pública. Além do ICMS da indústria representar apenas 1% do total da arrecadação dos municípios, o volume repassado aos municípios em 2019 já supera 2018.

Nos desafiamos a mudar porque ninguém pode colher os frutos antes de plantar as árvores. E o fruto que buscamos colher é colocar o RN no rumo do crescimento e da justiça social, com postos de trabalho, vencendo a estagnação e voltando a se desenvolver econômica e socialmente. Um Rio Grande COM Norte.

Postado em 03/11/2019 às 19:00 - Texto ´publicado originalmente na Tribuna do Norte