03/04/2020

Rosa Weber nega suspender prazo de filiação partidária para eleições de 2020

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal, negou nesta sexta-feira (3) a suspensão do prazo para filiações partidárias por causa da pandemia do novo cornavírus, mantendo o prazo previsto em lei. Ou seja, com a decisão, os candidatos que quiserem concorrer às eleições deste ano, deverão definir o partido político até este sábado (4).

A decisão se deu em uma ação do Partido Progressista (PP) que apresentou um pedido ao Supremo para suspender por 30 dias o prazo para filiação partidária para as eleições de 2020.

Segundo a ministra, tratando-se de período tão próximo ao final do prazo para deferimento de filiação e para desincompatibilização, "alterá-lo implicaria ofensa à isonomia com os possíveis candidatos que já haviam tomado as providências necessárias para a disputa eleitoral, ou seja, já preenchem os requisitos de domicílio eleitoral, filiação deferida e mesmo desincompatibilização de eventual função pública."

Por Alderi Dantas, 3/04/2020 às 14:04 - Foto: Carlos Moura - SCO/STF

02/04/2020

Assu passa a ter 3 casos confirmados do novo coronavírus

O setor de Vigilância Epidemiológica e o Comitê Municipal de Gestão da Emergência em Saúde Pública decorrente do Coronavírus (Covid-19) da prefeitura do Assu informa que foram notificados dois (2) novos casos positivos para CORONAVÍRUS, totalizando assim três (3) casos, no momento, no município.

O primeiro caso confirmado e anteriormente comunicado: Sexo feminino, 39 anos, que teve contato com caso confirmado em outro município do Estado.

Os dois (2) casos confirmados na noite desta quinta-feira (2), são: sexo masculino, 23 anos, teve contato com caso positivo e, o outro, sexo masculino, 67 anos, relata não saber se entrou em contato com algum caso positivo.

Por Alderi Dantas, 02/04/2020 às 20:23

Governo do RN prorroga até 23 de abril medidas preventivas de combate à Covid-19

O Governo do Rio Grande do Norte prorrogou até o dia 23 de abril as medidas de prevenção e isolamento social adotadas ao longo do mês de março com o objetivo de reduzir a propagação do novo coronavírus (COVID-19). As regras, que reduzem a aglomeração e o fluxo de pessoas, foram unificadas e instituídas no decreto Nº 29.583, de 1º de abril de 2020, publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) desta quarta-feira (2).

O decreto oficializa no RN a quarentena, prevista no art. 3º, II, da Lei Federal nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020, e recomenda que a circulação de pessoas no território potiguar esteja limitada às necessidades, aos cuidados com a saúde e ao exercício de atividades essenciais. Próximo ao final da sua vigência, as medidas serão revistas pelo Comitê Governamental de Gestão da Emergência em Saúde Pública e, caso necessário, alteradas de acordo com cenário da COVID-19 no estado.

Continuam suspensas as aulas em escolas públicas e privadas, o funcionamento do comércio, bares e restaurantes, a realização de eventos e atividades não essenciais. Sobre a decisão, a governadora Fátima Bezerra lembrou que a prioridade é a saúde e a vida da população, o que justifica o isolamento social como iniciativa essencial ao enfrentamento da pandemia. Além disso, a quarentena possibilita ao Estado a realização dos projetos de ampliação e fortalecimento do Sistema Único de Saúde.

Confira o decreto na íntegra AQUI.

Por Alderi Dantas, 02/04/2020 às 05:52

01/04/2020

Receita prorroga prazo de entrega da declaração do Imposto de Renda

O secretário da Receita Federal, José Tostes Neto, anunciou nesta quarta-feira (1º) a prorrogação do prazo de entrega da declaração de Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) por 60 dias.

Com isso, o prazo para a entrega da declaração de 2020 passa de 30 de abril para 30 de junho.

A decisão foi tomada por causa das restrições à circulação necessária ao combate ao novo coronavírus, que causa a infecção respiratória covid-19. “As pessoas não estão conseguindo sair para pegar os documentos necessários”, disse Tostes em entrevista coletiva à imprensa em Brasília.

De acordo com o último balanço divulgado pela Receita, em 30 de março, foram recebidas pelo órgão 8,1 milhões de declarações – cerca de 25% do total.

A expectativa, segundo o governo federal, é que 32 milhões de contribuintes façam a declaração em 2020.

Por Alderi Dantas, 01/04/2020 às 19:40

Bolsonaro não quer ser presidente. Quer ser notícia. Conseguiu

Por Matheus Pichonelli - Yahoo Notícias

Como militar, Jair Bolsonaro não ganhou notoriedade como herói de guerra nem colecionando patentes no uniforme verde oliva.

Ganhou fama desobedecendo superiores, provocando rebeliões e respondendo à acusação de planejar atentados a bomba em unidades militares, num processo encerrado de maneira controversa e que custou sua saída do Exército.

Como vereador e deputado, não ganhou destaque com projetos e propostas, mas pela capacidade de dizer absurdos em programas caça-audiência.

Como presidente, por que faria diferente?

Bolsonaro, é preciso reconhecer, tem uma virtude: ele sabe como virar notícia com uma câmera na mão e pouca ideia na cabeça. Já sabia disso na virada dos anos 1980 e 1990.

Nos anos 2010, percebeu, antes de todos os pares, que na era da comunicação em rede, engajamento e bom senso andam em correntes opostas.

Da mesma forma que o youtuber, pra se destacar, precisa calibrar nos decibéis do berreiro, encher banheiras de Nutella, explodir melancias e coisas do tipo, as figuras públicas correm o risco de desaparecer no nevoeiro do anonimato se falar o que as pessoas esperam que elas digam. Na algaravia das redes, um tuíte com foliões urinando vale mais do que mil palavras. Mesmo que custe uma suspensão ou um tuíte apagado.

Quem mais faria isso?

Enquanto o mundo para e discute noções de decoro, Bolsonaro e seus seguidores sorriem satisfeitos, como quem esconde o estilingue, já pensando na próxima vidraça.

Se estivesse em casa cumprido a quarentena, pedindo para as pessoas ficarem em casa e obedecerem às ordens médicas, Bolsonaro estava condenado a abraçar o mesmo discurso de governadores, parlamentares, ministros, vice-presidente, comunidade científica e o bom senso.

Seria notícia no primeiro domingo de isolamento.

No segundo, sem nada novo a dizer, não estaria nas manchetes dos jornais de segunda-feira em forma de reprimenda: Bolsonaro desobedece orientação médica e vai pra galera. De novo.

A desobediência obedece a uma velha tática marqueteira: falem mal, mas falem de mim.

Bolsonaro arrisca provocar uma crise sanitária, mas se nega a ser mais um no combate à pandemia. Não quer dividir o ônus de uma crise que ele diz não ser com ele.

Pelo contrário, tenta reforçar a linha direta com a ala mais desesperada da população, a que vive do trabalho informal e não pode se resguardar na quarentena.

Bolsonaro dá, assim, uma banana ao grosso da opinião pública, à comunidade médica, e reforça o mito do presidente rebelde, o que está do lado do povo que quer trabalhar e é impedido pelos mestres e doutores da lei.

“O vírus está aí. Vamos ter que enfrentá-lo. Vamos enfrentar como homem, não como moleque. Vamos enfrentar o vírus com a realidade, todos nós vamos morrer um dia”, filosofa o presidente, para aplauso de alguns, desprezo de outros, e engajamento de todos.

Quem falaria do líder brasileiro não fosse sua condução errática, e oportunista, da crise? Alguma revista de prestígio internacional se preocuparia em dar a ele o título de presidente mais incapaz de resolver o problema?

Mas quem disse que Bolsonaro quer resolver problemas?

Quem disse que está preocupado em salvar vidas?

Quem disse que quer governar?

Como um personagem de Guimarães Rosa, que sobe na árvore para dizer palavras desconexas e vira celebridade instantânea, Bolsonaro quer ser notícia pelo contraste. Foi assim que chegou até onde chegou: com poucas ideias e muitas melancias penduradas no pescoço, uma delas em forma de golden shower.

De novo, conseguiu.

Postado em 01/04/2020 às 06:26

Sesap confirma segunda morte por COVID-19 no RN; vítima tinha 23 anos

A Secretaria Estadual da Saúde Pública do Rio Grande do Norte (Sesap-RN) e a Secretaria Municipal de Saúde de Natal confirmaram nesta terça-feira (31 de março) a segunda morte por coronavírus no Estado. A vítima é Matheus Aciole, de 23 anos, que era gastrólogo. Ele é a vítima da Covid-19 mais jovem do país.

De acordo com a Sesap, o paciente, que tinha quadro de obesidade, deu entrada em um hospital privado, no dia 24 de março, foi examinado e liberado para voltar para casa, onde continuou se medicando. Ele ficou isolado por dois dias, mas não apresentou melhora e voltou a procurar o serviço público de saúde no dia 27 de março, data em que foi hospitalizado.

Por Alderi Dantas, 01/04/2020 às 05:51

31/03/2020

Nota Potiguar direciona prêmios para ajudar população em vulnerabilidade social

O Governo do Estado do Rio Grande do Norte e a Secretaria Estadual de Tributação (SET-RN) decidiram pela suspensão dos sorteios da Nota Potiguar por três meses.

O dinheiro que seria repassado a participantes da campanha sorteados e instituições filantrópicas como prêmios vai ser usado na aquisição de alimentos que serão doados para pessoas em vulnerabilidade social em função das medidas de restrições no combate aos efeitos do novo coronavírus. R$ 177 mil direcionados para as ações do governo de ajuda a população mais carente que sofre com as consequências das restrições e isolamento social. Porém, o valor do prêmio fixo de R$ 100 mil continuará sendo rateado normalmente de forma proporcional à quantidade de pontos acumulados entre as entidades beneficentes, com alterações pontuais para beneficiar um maior número de instituições. As alterações em caráter temporário na campanha serão publicadas no Diário Oficial do Estado (DOE) nesta quarta-feira (1º).

Por Alderi Dantas, 31/03/2020 às 17:19

Consórcio Nordeste cria Comitê Científico contra Covid-19

O Consórcio Nordeste, que congrega os nove governadores da região, anunciou nesta segunda-feira (30) a criação do Comitê Científico, que terá o objetivo de ajudar na tomada de decisão sobre as ações de enfrentamento à pandemia do coronavírus. O grupo será coordenado pelo cientista Miguel Nicolelis e pelo físico e ex-ministro de Ciência e Tecnologia Sérgio Rezende. 

O Comitê Científico é integrado por médicos, cientistas, físicos e pesquisadores brasileiros reconhecidos internacionalmente. Os encontros serão periódicos com autoridades científicas brasileiras e de outros países, como Itália, Alemanha e China. Além disso, o Comitê emitirá boletins com todos os números da região relativos à doença e divulgará orientações baseadas nas pesquisas realizadas pelo grupo. 

O comitê ainda está sendo formado, mas já conta 13 integrantes, incluindo um indicado por cada estado, e deve permanecer ativo até o final da pandemia. "É uma guerra. Precisamos de apoio científico para vencê-la", afirmou o governador da Bahia e presidente do Consórcio, Rui Costa.

Por Alderi Dantas, 31/03/2020 às 06:29

Três mortes investigadas como suspeitas de Covid-19 em Assu foram negativadas

O setor de Vigilância Epidemiológica e o Comitê Municipal de Gestão da Emergência em Saúde Pública Decorrente do Coronavírus (COVID-19), da prefeitura do Assu/RN, comunicaram na noite desta segunda-feira (30), que o exame do terceiro óbito que encontrava-se em investigação para o Coronavírus testou negativo.

Assim, os três casos investigados no município com suspeita de morte pelo novo coronavírus foram descartados: 1 - criança de 02 (dois) anos de idade, atendida em Mossoró, tendo laudo conclusivo em negativo para coronavírus e positivo para H1N1; 2 – mulher de 72 (setenta e dois) anos, portadora de Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC); 3 – mulher de 83 (oitenta e três) anos de idade, portadora de Neoplasia.

Por Alderi Dantas, 31/03/2020 às 05:48 

30/03/2020

Após aprovação no Senado, auxílio de R$ 600 a trabalhadores depende da sanção do presidente

O Plenário do Senado aprovou nesta segunda-feira (30) o auxílio emergencial de R$ 600 para trabalhadores informais de baixa renda, a ser concedido durante a pandemia do novo coronavírus (PL 1.066/2020). A medida durará, a princípio, três meses, mas poderá ser prorrogada. O projeto segue agora para a sanção presidencial.

O benefício que teve origem na Câmara dos Deputados será destinado a cidadãos maiores de idade sem emprego formal, mas que estão na condição de trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEI) ou contribuintes da Previdência Social. Também é necessário ter renda familiar mensal inferior a meio salário mínimo per capita ou três salários mínimos no total e não ser beneficiário de outros programas sociais ou do seguro-desemprego.

Para cada família beneficiada, a concessão do auxílio ficará limitada a dois membros, de modo que cada grupo familiar poderá receber até R$ 1.200. Depois da sanção, o início dos pagamentos dependerá de regulamentação do Poder Executivo.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre — que contraiu a covid-19 e está afastado, em tratamento —, publicou nas suas redes sociais mensagem na qual pede ao presidente da República, Jair Bolsonaro, que sancione imediatamente o PL 1.066/2020.

Por Alderi Dantas, 30/03/2020 às 19:36 - Fonte: Agência Senado

Professores da UFRN orientam como evitar compartilhamento de fake news

Nos últimos dias, circulou nas redes sociais um áudio atribuído ao ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e ainda um imagem mostrando uma vacina para prevenir o coronavírus. Em um quadro social complexo como o da pandemia do Covid-19, a internet mais uma vez é terreno fértil – e perigoso – para surgimento e proliferação de notícias falsas sobre o vírus. Atentos a essa questão, professores da UFRN atuam e dão orientações para evitar as notícias falsas, ou fake news, que circulam principalmente em redes sociais.

Para a professora Socorro Veloso, do Departamento de Comunicação da UFRN, a primeira indicação ao se receber uma notícia ou vídeo nas redes sociais que tenha origem duvidosa é checar as informações em canais oficiais, como sites de órgãos públicos, portais e jornais de notícias. “Se identificar que é uma notícia falsa dê um alerta, com gentileza, a pessoa que disseminou o material e no grupo onde recebeu o conteúdo, para que a informação falsa não seja repassada”, orienta.

A docente ressalta que não é preciso ser jornalista ou da área da comunicação para fazer isso e acrescenta que é um compromisso social combater a disseminação de notícias falsas.

Leia AQUI na íntegra as orientações dos professores sobre combate as notícias falsas, ou fake news.

Postado em 30/03/2020 às 05:48

Assu teve primeiro caso do novo coronavírus confirmado neste domingo, 29

O setor de Vigilância Epidemiológica e o Comitê Municipal de Gestão da Emergência em Saúde Pública decorrente do Coronavírus (Covid-19), da prefeitura municipal do Assu confirmou o primeiro caso positivo para coronavírus (COVID-19) em Assú na manhã deste domingo, 29.

Segundo o comunicado, trata-se de uma jovem, do sexo feminino, 39 anos, que teve contato com caso confirmado em outro município do Estado. A paciente encontra-se em isolamento, tomando todas as precauções necessárias, conforme protocolos e com um quadro clínico estável, e todos os seus comunicantes estão sendo rastreados e colocados sob vigilância em isolamento.

Óbitos em investigação

Como anteriormente anunciado, o município do Assú registrou 03 mortes com suspeita de Covid-19. Desses casos, 01 já havia sido descartado por apresentar resultado positivo para H1N1. Outra suspeita foi descartada neste domingo: trata-se de paciente do sexo feminino, 72 anos, com DPOC.

Dessa forma, resta 01 caso suspeito de óbito que continua em investigação.

Por Alderi Dantas, 30/03/2020 às 05:35

29/03/2020

MENOS MERCADO, MAIS BRASIL

Por André Ceciliano - Deputado e presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro

O que diria Adam Smith, o pai da teoria econômica liberal, diante da situação da humanidade frente ao estrago causado na economia global pelo coronavírus? A “mão invisível do mercado” seria capaz de dar conta do problema? É claro que não. O mercado não se importa com pessoas. A sua lógica será sempre a do lucro. Sem a mão visível do Estado, será o caos.

É esse debate que está por trás do embate entre o presidente Jair Bolsonaro e os governadores por conta das medidas de quarentena adotadas nos estados e municípios – regras, diga-se de passagem, tomadas em todo o mundo, seguindo a orientação da OMS, até por quem em princípio resistiu a elas, como o Reino Unido. Os estados pedem dinheiro. O governo resiste a dar, de olho no aumento do déficit fiscal.

Temos um presidente que minimiza o problema e acha que as taxas de letalidade da pandemia são baixas para justificar uma recessão econômica. O empresário dono de uma cadeia que vende um hambúrguer a 60 reais definiu bem esse pensamento: “O Brasil não pode parar por causa de 5 ou 7 mil mortes”, disse.

Vivemos uma situação de saúde pública como não se viu desde a Gripe Espanhola, há um século, quando 500 milhões de pessoas (um quarto da população mundial na época) foram infectadas, das quais 100 milhões morreram. Isso decerto não acontecerá desta vez porque a ciência evoluiu, e as condições de higiene melhoraram, de um modo geral, no planeta. Tomara Deus que em breve os esforços dos cientistas resultem na descoberta de um remédio ou uma vacina contra essa doença, como na pandemia do H1N1, em 2009.

Do ponto de vista econômico, porém, não restam mais dúvidas: o mundo viverá uma segunda Grande Depressão.

Em 1929, quando a Bolsa de Valores de Nova York colapsou, os Estados Unidos e o mundo foram à bancarrota. Por algum tempo, os EUA tentaram que o próprio mercado desse um jeito na confusão, sem sucesso. A fome só crescia, o desemprego não cessava, a violência grassava.

Foi quando, em 1933, assumiu a presidência dos Estados Unidos um líder que mancava de uma perna, consequência da poliomielite que o acometeu quando criança. Franklin Roosevelt deu uma banana para o pensamento liberal de Adam Smith dominante na América e implantou o New Deal (Novo Acordo, em inglês). O Estado investiu pesado em infraestrutura (gerando milhares de empregos), criou linhas de crédito, sobretudo para pequenas e médias empresas, instituiu o salário mínimo e o salário-desemprego. O bom resultado dessa política está registrado na História.

O Brasil tem que fazer o mesmo. Pequenos e médios empresários, que respondem por 70% dos empregos do país, têm que ser apoiados nestes três meses, tempo que os médicos acreditam que durará a crise caso as medidas de contenção que estão recomendando sejam respeitadas neste momento.

Os autônomos necessitam o quanto antes de ter garantida uma renda mínima para não passarem fome e pagarem seus compromissos. Enquanto as escolas públicas permanecerem fechadas, as cozinhas devem funcionar produzindo quentinhas para as famílias terem o que comer.

O governo federal, que concentra nada menos que 60% de todos os impostos pagos no Brasil, precisa auxiliar os estados e municípios, cuja situação financeira já era terrível antes da crise, e vai piorar com a queda na arrecadação. No caso do Rio, pior, já que agravada pela baixa nos preços do barril do petróleo. Em breve, poderá faltar dinheiro até para pagar ao funcionalismo.

As reservas do Brasil em moeda estrangeira somavam US$ 367,3 bilhões em março. O lucro de 2019 dos três maiores bancos brasileiros, somados, foi de R$ 62, 2 bilhões. Dinheiro não falta. Temos, em última instância, a Casa da Moeda, que produz papel. O dinheiro é uma criação do homem. Vidas, uma dádiva de Deus. É hora de dar uma banana para os economistas de Chicago que acham que a mão invisível do mercado tudo resolve e nos guiar pelos ensinamentos da História.

Postado em 29/03/2020 às 20:00 - Artigo publicado originalmente no jornal O Globo (28/03)

28/03/2020

Secretaria de Saúde confirma primeira morte por coronavírus no RN

A Secretaria de Estado da Saúde Pública e a Secretaria Municipal de Saúde de Mossoró acabam de confirmar, na noite deste sábado (28), o primeiro óbito pelo novo coronavírus no Rio Grande do Norte. A vítima é um homem de 61 anos, com histórico de diabetes, e que teve contato com caso suspeito.

O paciente deu entrada em hospital privado na cidade de Mossoró no dia 21 de março, na última sexta-feira (27) teve a confirmação que estava com a Covid-19, indo a óbito na noite deste sábado.

A SESAP alerta que a morte de um potiguar por Covid-19 reforça o que tem sido recomendado diariamente: a população que pode, deve ficar em casa, e todos devem seguir as orientações das autoridades sanitárias.

Por Alderi Dantas, 28/03/2020 às 23:54

Governo alerta sobre punições em caso de descumprimento do decreto de enfrentamento ao coronavírus no RN

O Governo do Estado comunica à população do Rio Grande do Norte que é imperativo o cumprimento do decreto estadual n. 29.541/2020 que define medidas restritivas temporárias, de importância internacional, para o enfrentamento ao Covid-19.

Neste momento há carreatas nas ruas da capital que incitam de forma irresponsável o retorno das pessoas às ruas e a abertura do comércio em geral. Nas redes sociais há grupos mobilizando-se para movimentações similares a partir da segunda-feira (30).

Neste contexto, o governo alerta que a participação em carreatas e similares em desobediência às normas de enfrentamento da COVID-19 constitui ofensa ao disposto no art. 268 do Código Penal, que sanciona com multa e detenção aqueles que infringirem determinação do poder público destinada a impedir a introdução ou a propagação de doença contagiosa.

Por fim, o alerta informa que a Secretaria de Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed) orientou as forças das Polícias Militar e Civil para o cumprimento das medidas impostas.

Por Alderi Dantas, 28/03/2020 às 14:49

Justiça proíbe campanha do governo federal contra isolamento social

A Justiça Federal proibiu na manhã deste sábado (29/03) o governo Bolsonaro de veicular a campanha "O Brasil não pode parar" contra as medidas de isolamento social adotadas por Estados brasileiros nas últimas semanas para combater a pandemia do novo coronavírus.

A decisão em caráter liminar foi tomada pela juíza Laura Bastos Carvalho em resposta a uma ação civil pública movida pelo Ministério Público.

A juíza ordena que o governo se abstenha de divulgar peças publicitárias desta campanha ou qualquer que "sugira à população brasileira comportamentos que não sejam estritamente embasados nas diretrizes técnicas, emitidas pelo Ministério da Saúde, com fundamento em entidades científicas de notório conhecimento no campo de epidemiologia e de saúde pública".

O governo deve ainda, em até 24 horas, divulgar uma nota em que reconhece que a campanha não está embasada em informações científicas e que, portanto, seu conteúdo não deve ser seguido pela população ou por autoridades como embasamento para decisões relativas a medidas de saúde pública.

O Planalto também é obrigado a promover uma campanha de informação sobre as formas de transmissão da covid-19.

O descumprimento da decisão implicará no pagamento de uma multa de R$ 100 mil por infração.

Planalto nega que tenha veiculado campanha

Em nota, a Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República (Secom) informou que o vídeo da campanha que circula em redes sociais foi produzido em caráter experimental e seria uma "proposta inicial para possível uso nas redes sociais, que teria que passar pelo crivo do Governo".

Mas, segundo a Secom, a campanha "não chegou a ser aprovada e tampouco veiculada em qualquer canal oficial do governo federal".

Por Alderi Dantas, 28/03/2020 às 11:19

27/03/2020

Escolas públicas e privadas do RN pedem aumento de quarentena para mais 30 dias

Por causa da pandemia do coronavírus, escolas públicas e privadas do Rio Grande do Norte solicitaram a prorrogação da quarentena determinada pelo governo, após reunião realizada nesta sexta-feira (27). O pedido é para que a suspensão das aulas se estenda por mais 30 dias em todas as escolas das redes pública e privada.

O retorno está previsto para o próximo dia 2 de abril, já que o prazo atual estabelecido para a quarentena no decreto de 18 de março foi de 15 dias. Mas se atendida nova solicitação, no entanto, as esolas retomarão as atividades somente no dia 3 de maio.

A reunião que discutiu a prorragação aconteceu entre a Secretaria de Estado da Educação, Cultura, do Esporte e do Lazer (SEEC) , o Conselho Estadual de Educação, a União dos Dirigentes Municipais de Ensino, Secretaria Municipal de Educação de Natal e o Sindicato das Escolas Particulares do RN.

Em nota, a SEEC informou que a decisão sobre um prazo maior para a quarentena é uma prerrogativa da governadora Fátima Bezerra, que ainda não se pronunciou sobre uma nova prorrogação da paralisação das aulas.

Por Alderi Dantas, 27/03/2020 às 20:03